Brasileirinho - PrincipalMisture e Mande

Arquivo

Mistura e Manda

Nº 102 - 23/5/2005

CAMPEÕES DA SEMANA
Os mais lidos entre 15 e 21/5

1) Roberto Carlos e a Religião - 335
2) O Trabalho na Música Popular Brasileira - 208
3) Bachianas Brasileiras - 138
4) Carnaval e Comunicação no Morro da Mangueira - 117
5) Samba: Origens, Transformações e Indústria Cultural (1916-40) - 112

ARQUIVOS DO MISTURA MAIS LIDOS
De 1 a 21/5

1) Nº 3 - 23/06/03 - 247
2) Nº 48 - 10/05/04 - 79
3) Nº 37 - 23/02/04- 78
4) Nº 52 - 07/06/04 - 77
5) Nº 34 - 02/02/04- 72

Obs: em número de acessos
Novidades no Brasileirinho

Na segunda, 16, colocamos no ar duas fotos feitas por Dani Lima no show de Zélia Duncan no The City Hall (São Paulo), na quarta, 4 - numa delas, aparece também o bandolinista Hamilton de Holanda.

Também estreou na segunda o texto Samba: Origens, Transformações e Indústria Cultural (1916-40), de Giovana Papini. O trabalho, elaborado por Giovana no final de 2004 como trabalho de conclusão de seu curso de História na Universidade Católica de Goiás, já entrou na nossa lista de mais lidos da semana (veja tabela ao lado).
(Fabio Gomes)
***
SOS Fala Brasil


O jornal Fala Brasil, que há 10 anos realiza divulgação da movimentação cultural de Porto Alegre, busca encontrar patrocinadores para continuar circulando. Lido mensalmente por 20 mil pessoas, o veículo, mesmo com projeto aprovado na LIC (Lei de Incentivo à Cultura) da Secretaria da Cultura do Rio Grande do Sul, não conseguiu ainda viabilizar apoio nos contatos que têm feito com empresas e agências de publicidade. Se você puder ajudar, ou indicar alguém que possa, entre em contato com a editora do Fala Brasil, Rosane Scherer, pelo e-mail [email protected].
(F. G.)
***

Diego Tashima no show Brasileirinho

A noite de 25 de maio promete ser inesquecível, afinal um grande tributo será realizado no Ópera São Paulo ao papa do ziriguidum, Oswaldo Sargentelli, no espetáculo Brasileirinho, um musical de luz e cores que exalta a cultura brasileira no máximo de seu esplendor musical e coreográfico. Com um elenco que mescla instrumentistas, cantores e bailarinos além da protagonista, a badalada promoter Sandrinha Sargentelli o espetáculo conta com 12 trocas de luxuoso figurino totalizando um desfile com cerca de 50 belas fantasias. Para esta apresentação o musical conta com a participação do festejado colunista social internacional Diego Tashima que irá engrandecer a produção como mestre-de-cerimônias do espetáculo. Efeitos especiais e multimídia valorizam mais este grande tributo à cultura brasileira.

(Luciana Mello)

***

Pianismo

Na quinta, 19, os apreciadores do piano brasileiro tiveram um dia inesquecível em Porto Alegre. No final da tarde, Eudóxia de Barros apresentou-se no foyer do Theatro São Pedro. Após um começo algo hesitante em clássicos de Ernesto Nazareth como "Brejeiro" e "Confidências", brilhou na junção "Odeon/ Apanhei-te Cavaquinho" (Nazareth), esbanjou categoria em "Sururu na Cidade/ Tico-Tico no Fubá" (Zequinha de Abreu) e demonstrou extrema maestria técnica em peças difíceis como "Estudo nº 11" (Osvaldo Lacerda) e "Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro" (Louis Moreau Gottschalk).

Este último foi um dos quatro (!) números extras do outro recital de piano da quinta, no mesmo TSP, à noite. Miguel Proença realizou a penúltima apresentação da excursão Piano Brasil. A primeira parte contou com clássicos de Heitor Villa-Lobos, como "Bachianas Brasileiras nº 4 - Prelúdio" e "Valsa da Dor", encerrando com "Hommage à Chopin", já dando o tom da segunda parte. Esta foi dedicada a pérolas do polonês Frédéric Chopin, como o "Noturno Opus 48 nº 2". A excursão encerra no Rio de Janeiro nesta segunda, 23.

(F. G.)

***

Nãnãna da Mangueira

Os leitores das Dicas já se habituaram a ver o nome de Nãnãna da Mangueira entre as atrações do Traço de União (São Paulo). Apresentamos a seguir texto da assessora de imprensa da casa, Márcia Accioly, sobre a trajetória da grande sambista. (N. da R.)

Nãnãna da Mangueira é uma lenda viva da cultura popular desde os anos 50, seja atuando com Grande Otelo, seja dirigida por Carlos Machado, ou cantando como pastora de Herivelto Martins e Ataulfo Alves. Desde menina Nãnãna cantava nos programas de auditório da Rádio Nacional, um dos maiores focos de projeção cultural e artística da época.

Despontou na Estação Primeira da Mangueira aos 13 anos, na histórica ala Vê se entende, começando sua fase de estrelato como passista. Talentosa, foi logo descoberta para fazer parte do elenco de O Teu Cabelo Não Nega, ao lado de Grande Otelo. Foi dirigida por Carlos Machado no Copacabana Palace, além de ter sido pastora de Herivelto Martins e Ataulfo Alves. Até hoje, nunca deixou de atuar seja como passista ou cantora, no Rio, e em seguida em São Paulo.

Esta mangueirense tem muita história pra contar e um de seus maiores orgulhos é o ter passado o amor pela Mangueira para seu filho, Ivo Meirelles. A alegria contagiante de Nãnãna sempre empolga o público.

(Márcia Accioly)

Copyright © 2005. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais.