Misture e Mande

Arquivo

Mistura e Manda

Nº 13 - 01/09/2003

Novidades no Brasileirinho

Nesta semana, entrou no ar um novo diretório na nossa página, inteiramente dedicado ao Clube do Choro de Porto Alegre, onde já é possível conhecer um pouco sobre sua história, ler reportagens sobre suas apresentações, ouvir músicas do primeiro CD e entrar em contato com o Clube. Este diretório é o primeiro fruto da parceria entre o Clube do Choro e o Brasileirinho, anunciada na quinta, dia 28 de agosto, no Clube Ypiranga, entre acordes de Jacob do Bandolim (“Santa Morena”), Chico Buarque (“Carolina”) e do mestre dos mestres, Pixinguinha (“Carinhoso”). Na mesma ocasião, foi desfraldado um banner do Brasileirinho, assinalando a parceria. O flautista Petrônio, paraibano radicado no Rio Grande do Sul, também se fez presente na grande noite.

Petrônio também estivera na platéia do concerto da Orquestra Unisinos que teve Altamiro Carrilho como solista na quarta, dia 27, assunto do nosso novo artigo da semana: O Eterno Jovem Altamiro.

(Fabio Gomes)

***

Misturou e Mandou (1)

Olá, Fábio! Tudo ótimo! Bela matéria. Há uma outra letra feita sobre "Jesus, Alegria dos Homens", de autoria do saudoso Miguel Gustavo, usando o andamento de marcha-rancho. Era um jingle da Banha Rosa. Um abraço musical.

(Altamiro Carrilho)

***

O imperador compositor

O Brasil é um país cheio de peculiaridades, convenhamos. É o único país do mundo que deixou de ser colônia pelas mãos do príncipe herdeiro da metrópole. Igualmente deve ser o único país em que a Independência foi musicada pelo proclamador. Isso mesmo, o “Hino da Independência” tem música de D. Pedro I e versos de Evaristo da Veiga. D. Pedro tocava clarinete, chegando a integrar a orquestra da corte portuguesa. Também tocava flauta, fagote e trombone, entre outros instrumentos. Ao interpretar modinhas, preferia acompanhar-se ao pianoforte ou à guitarra, mas seu forte era mesmo o repertório de concerto, sendo autor ainda de uma missa, uma abertura, uma sinfonia, um “Te Deum” e de outro hino, o “Hino da Carta”, adotado como hino nacional português até a queda da monarquia deles, em 1910.

(F. G.)

***

O Hino da Independência

O hino é hoje executado com a melodia imperial sobre os versos do jornalista Evaristo (“Já podeis da Pátria, filhos/ Ver contente a mãe gentil/ Já raiou a liberdade/ No horizonte do Brasil...”), mas nem sempre foi assim. Consta que Evaristo escreveu seu poema em 16 de agosto de 1822 (alguns dias antes do Grito do Ipiranga, portanto), mas a música com a qual eles eram cantados até 1824 era de Marcos Portugal. Só então a melodia de D. Pedro I passou a ser tocada junto com a letra. Após a abdicação, a 7 de abril de 1831, a melodia de Marcos Portugal voltou a ser executada, mas esporadicamente, pois o hino caiu em desuso. Só voltou a ser tocado no Centenário da Independência, em 1922, sem a melodia imperial, restaurada por uma comissão (Heitor Villa-Lobos, Assis Republicano, Luís Heitor e Francisco Braga) nomeada pelo ministro da Educação, Gustavo Capanema, para corrigir o hinário pátrio durante o Estado Novo.

(F. G.)

***

Aviso

Nesta semana, em função da participação do editor do Brasileirinho no XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2003), em Belo Horizonte (MG), não haverá a atualização costumeira das Dicas na quinta, dia 4 de setembro. Calma, tudo volta ao normal no dia 8!

***

Diário Mineiro

Em compensação, nesse período será possível acompanhar informes de Fabio Gomes direto de BH clicando neste link: www.brasileirinho.mus.br/diariomineiro.htm. A partir da noite do dia 3 (se Deus quiser!).

***

Misturou e Mandou (2)

Excelente a descoberta da estrofe de “A Felicidade” (ver Mistura e Manda nº 12)! Eu gosto bastante destas versões "bootleg" da música brasileira. Descobri, há pouco tempo, a letra original do “Samba de Orly”, composto pelo Chico Buarque (em parceria com Toquinho e Vinicius) mas que a censura podou: no trecho “Pede perdão pela duração dessa temporada...”, a letra original do Chico era “Pede perdão pela omissão um tanto forçada”. Eram outros tempos, né?

(Adão Rosa, baixista)

Copyright © 2003. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais