Misture e Mande

Arquivo

Mistura e Manda

Nº 38 - 1/3/2004

Novidades no Brasileirinho

Esta semana, colocamos no ar o comentário do show de Elton Medeiros em Porto Alegre e a entrevista Cinco Perguntas para Jandira (do Grupo Bom Partido), em que a partideira catarinense conta a emoção de ter vencido o 1º Festival Nacional de Partideiros, no Rio de Janeiro, em 2001. Também incluímos uma nova crítica de CD (Um Ser de Luz - Tributo a Clara Nunes), feita por nossa nova colaboradora, a paulista Tatiane Marchesan. Estudante de Jornalismo, Tatiane tem um bom texto e não fica em cima do muro, deixando bem claro o que achou do disco e por quê. Outro texto de sua autoria que temos no Brasileirinho é sobre a trilha sonora do filme Apolônio Brasil.

A outra novidade fica por conta da promoção Rádio Cabeça. Você indica sua música preferida e concorre a um CD exclusivo do Brasileirinho.

(Fabio Gomes)

***

Que fevereiro, tchê!

O mês que acabou ontem foi de muita alegria para nós do Brasileirinho. O volume de acessos às nossas páginas foi fantástico: 5.592 internautas estiveram navegando por aqui, sendo 40 por dia, em média, acessando a página principal e gerando uma média, também diária, de 407 page views (a soma do que todos os visitantes do site viram, seja textos, charges ou fotos). No dia 16, uma segunda, chegamos a registrar 575 page views. Sob qualquer aspecto, o mês de maior sucesso do site.

Simplificando, pode-se dizer que, a cada 4 minutos, um arquivo do Brasileirinho foi lido em algum lugar do Brasil, Argentina, México, EUA, Canadá, Portugal, Espanha e França, os países dos quais registramos acessos nesse mês.

O texto mais lido foi Carnaval, Samba e Comunicação no Morro da Mangueira - 1.317 acessos, deixando em segundo lugar o campeão anterior, Roberto Carlos e a Religião (635 leituras).

Além disso, pela primeira vez um texto do Brasileirinho foi reproduzido na íntegra em outro site: autorizamos o Esquina da Música a veicular a entrevista com o flautista Danuzio Lima, do Clube do Choro de Miami.

Só temos a agradecer a você, leitor, por nos prestigiar e valorizar nosso trabalho, transformando esse mês de fevereiro de 2004 num marco da história do Brasileirinho.

(F. G.)

***

Campeões do Carnaval de Belo Horizonte

A forte chuva que atingiu Belo Horizonte no domingo de Carnaval, 22 de fevereiro, não tirou o brilho, apenas adiou a apresentação da escola de samba Canto do Alvorada, que desfilaria na segunda para se sagrar campeã. Seu enredo, "Canto Conta e Canta o Galo", era uma homenagem ao Clube Atlético Mineiro. Em segundo lugar, ficou a Unidos do Onça, seguida da Deixa Falar.

Na categoria blocos caricatos, o vencedor foi Invasores do Santo Antônio; o vice-campeonato coube aos Bacharéis do Samba. A disputa registrou um curioso empate na 3ª colocação, entre Satã e seus Asseclas e Corsários do Samba. Acorda Pampulha, em primeiro, e Piratas do Araguaia, em segundo, venceram a categoria bloco carnavalesco. Já na categoria bloco afro, o resultado apontou: em 1º, Aruê das Gerais; 2º, Banda Zilá; e 3º, Quilombo das Gerais.

O concurso Fantasie seu Carro, Fantasie sua Moto teve como vencedor na categoria carro André Luiz Ferreira, que receberá R$ 3 mil; na categoria moto, o ganhador foi Emanuel Gomes Pizane, cujo prêmio é uma moto 100cc.

(F. G.)

***

Jornalistas premiados por sambistas em BH

Um júri formado por integrantes da União das Escolas de Samba e Blocos Caricatos de Minas Gerais divulgou na sexta, 27, os vencedores do concurso das melhores coberturas do Carnaval mineiro:

- TV - Rede Minas; melhor imagem de TV: Gilmar Fernandes (repórter cinematográfico da Rede Globo Minas)

- Rádio - Rádio Itatiaia; melhor produtor de programa sobre o Carnaval: jornalista Acir Antão

- Jornal - Hoje em Dia; melhor fotografia - Pedro Vilela (repórter fotográfico do jornal Super).

(F. G.)

***

Manifesto pelo inédito

Quatro escolas de samba do Rio de Janeiro desfilaram com sambas antigos, dois da própria escola, dois "emprestados". O resultado imediato foi uma empolgação há muito não vista na Sapucaí, o que dava a impressão de que uma destas escolas seria campeã. Felizmente, isso não ocorreu.

Digo felizmente porque sou um forte defensor da renovação permanente na criação artística. O concurso de escolas de samba nasceu, se desenvolveu e se tornou esse espetáculo capaz de atrair a atenção mundial com cada escola levando anualmente à avenida um samba inédito.

É natural que a arquibancada se empolgue ouvindo "Aquarela Brasileira", um samba lindíssimo, que tem 40 anos de vantagem, em termos de divulgação, sobre os sambas inéditos que saíram em CD em dezembro, a menos de 2 meses do Carnaval, e precisam batalhar espaço nas rádios com a lixo music. Mas não pensem que institucionalizar a repetição seja o caminho. É sabido que gravadoras que recentemente investiram na redundância, apostando só no já conhecido, enfrentam hoje a pior crise de sua história.

(F. G.)

***

Desempate já!

Outro manifesto: apóio fortemente a inclusão no regulamento dos desfiles das escolas de samba de critérios de desempate, pelo menos para o primeiro lugar. É frustrante a comunidade se preparar o ano inteiro para o Carnaval e depois ter que lembrá-lo como o ano em que sua escola dividiu o título com uma outra (ou, como já aconteceu, com algumas outras).

(F. G.)

***

Baterista procura bandas

O baterista Marcus Vinícius, ou melhor, Macuby (seu nome artístico), procura bandas interessadas em seu trabalho. Ele integra a Holy Sonnet, de Cubatão (SP), que faz um som com influências roqueiras e do pop, e gostaria de atuar paralelamente em outras bandas.

Para contato com o baterista, escreva para [email protected].

(F. G.)

Copyright © 2004. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais