Misture e Mande

Arquivo

Mistura e Manda

Nº 50 - 24/5/2004

Panorama Histórico da MPB na Semana Acadêmica de Passo Fundo

Participei entre os dias 17 e 21 da 7ª Semana Acadêmica da Faculdade de Artes e Comunicação da Universidade de Passo Fundo, com meu curso Panorama Histórico da Música Brasileira e uma oficina de Fotografia Jornalística.

Foi muito gratificante estar realizando este curso pela primeira vez fora de Porto Alegre, inclusive com a oportunidade de ter na mesma sala estudantes de Música e de Jornalismo, gerando um debate que enriqueceu a todos.

Quando vejo muita gente reclamando que "nada de bom acontece em termos culturais", é alentador ver o exemplo dos estudantes da UPF, que não ficam esperando as coisas acontecerem, mobilizam-se para que elas ocorram. A organização do evento correu por conta dos alunos, que levaram a Passo Fundo mais de cinqüenta palestras e oficinas, com recursos arrecadados entre a própria comunidade estudantil. Para não cometer injustiças, omitindo alguns nomes, cumprimento a diretoria do Diretório Acadêmico Carlos Gomes na pessoa de seu presidente, Fabrício Scalco. Também agradeço à Rádio UPF e à Assessoria de Imprensa da FAC, que me entrevistaram sobre meu trabalho, e à UPF TV, que quis minha opinião sobre o rock gaúcho.

(Fabio Gomes)

***

O comercial que Zeca Pagodinho não quis fazer

Um dos palestrantes da 7ª Semana Acadêmica da Faculdade de Artes e Comunicação da Universidade de Passo Fundo, o publicitário Charles da Cruz, da DCS, revelou que, muito antes das recentes polêmicas, tentou contratar Zeca Pagodinho para uma campanha da Tramontina. A propaganda se destinava a mostrar para as donas de casa que a nova linha de talheres com cabo de madeira da empresa era mais resistente que os similares, não estando sujeito a apodrecimento.

A recusa de Zeca em participar e o valor que solicitou pelo uso de seu samba em parceria com Wilson Moreira "Judia de Mim" (R$ 150 mil por três meses) fizeram com que Charles partisse para outra solução: ele mesmo compor um samba para o comercial. Nascia assim a premiada campanha "Pode Maltratar".

(F. G.)

***

Museu Vivo do Clube da Esquina

O Clube da Esquina, movimento que projetou toda uma geração de músicos mineiros para o sucesso nacional, vai ganhar um museu. Ainda sem uma sede física definida, o projeto, financiado pela Petrobrás, está na fase denominada "Museu Vivo", que consiste na realização de palestras em Belo Horizonte acompanhadas por mini-shows de nomes ligados ao movimento. O segundo evento desta série, que iniciou em abril, aconteceu na quarta, 19, na praça Duque de Caxias (bairro Santa Tereza), bem perto da famosa esquina onde ainda hoje mora boa parte da família Borges.

Alguns membros da família naturalmente estavam no comando das ações nesta quarta: Márcio comentou a idealização do Museu, Marilton contou várias histórias da turma e Marcelo cantou, acompanhado por Rodrigo à guitarra (mais Mário Castelo à bateria e Paulinho Carvalho ao baixo), alguns dos principais sucessos do movimento.

Outras oito palestras devem acontecer em BH ainda este ano (para 2005, a idéia é levar o evento para outras cidades). Estão previstos ainda pesquisa de acervo, gravação de depoimentos e lançamento de um site.

(F. G.)

***

Pagodespel

Caetano Veloso pretendia que o programa Chico e Caetano (TV Globo, 1986) pudesse trazer de volta o papel da televisão como lançadora de músicas inéditas, a exemplo do que ocorria nos anos 1960. A possibilidade real de reproduzir as condições de vinte anos antes era bastante improvável, mas ao menos ele teve a ousadia de tentar. O fruto da ousadia chamou-se "Pagodespel" (algo como pagode + gospel), a única parceria conhecida entre Caetano, Chico Buarque, João Bosco e... Oswald de Andrade (1890 - 1954).

Caetano já "compusera" com Oswald, musicando o poema que abre o livro Pau-Brasil (1925): "Escapulário". Lançado em 1975 no LP Jóia, foi trilha do filme Na Ponta da Faca (Miguel Faria Jr., 1977). Já em 1986, "Escapulário" foi transformado no início de "Pagodespel", com Chico e Bosco compondo mais versos. O novo samba foi arrematado com outro poema de Oswald, "Relicário", também do livro Pau-Brasil, e se constituiu num dos pontos altos do programa de outubro de 86, o antepenúltimo da série.

(F. G.)

***

Rappidinha

- Como se chama o conjunto de músicas a serem gravadas por um cantor de rap?

- Rappertório.

(F. G.)

Copyright © 2004. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais.