Misture e Mande

Arquivo

Mistura e Manda

Nº 80 - 20/12/2004

Feliz Natal

Queremos desejar a nossos leitores um Feliz Natal e um excelente 2005. No ano que se inicia, mantenha sempre sua capacidade de sonhar. Afinal, tudo o que existe foi sonhado um dia por alguém!

(Fabio Gomes)

***

Jesus baiano

A Bíblia é categórica: Jesus nasceu em Belém, cidade da Judéia, ao tempo do imperador romano Augusto, afirmam os evangelistas Mateus e Lucas. Confirmavam-se assim as profecias de Miquéias.

Na Bahia, há outra versão: Jesus teria nascido em Salvador. É o que sugere Dorival Caymmi em "São Salvador", música que o próprio Caymmi lançou no LP Eu Não Tenho Onde Morar (1961): "São Salvador, Bahia de São Salvador/ A terra de Nosso Senhor...".

Muito antes, porém, um maxixe, "Cristo Nasceu na Bahia", de autoria de Sebastião Cirino e Duque, defendia a versão com todas as letras: "Dizem que Cristo nasceu em Belém/ A história se enganou/ Cristo nasceu na Bahia, meu bem/ E o baiano criou". Lançada pela cantora Dalva Spínola na revista Tudo Preto, da Companhia Negra de Revistas, em 1926, foi sucesso do carnaval seguinte na gravação de Artur Castro.

(F. G.)

***

Noel Rosa, um presente de Natal

O compositor Noel Rosa nasceu no Rio de Janeiro no dia 11 de dezembro de 1910, mas seu nome não deixa dúvidas: a família esperava que ele nascesse no dia 25. Em função disso, resolveu batizá-lo como Noël, ou seja, Natal em francês. Na época, naturalmente, mesmo não havendo como saber o sexo do bebê antes do nascimento, Marta e Manoel de Medeiros Rosa estavam certos de que teriam um menino. Influiu na escolha o amor que o pai dedicava à cultura francesa.

A antecipação do parto é em geral atribuída pelos biógrafos de Noel à Revolta da Chibata, movimento dos soldados da Marinha, liderado por João Cândido, que pedia o fim dos castigos corporais naquela Arma. A revolta começara em novembro, durara quatro dias e aparentemente se encerrara com a promessa do governo de acabar com o castigo, anistiando os revoltosos. Mas, como vários marinheiros foram expulsos da corporação ou presos, a luta recomeçou na noite de 9 de dezembro, com a tomada do Batalhão Naval pelos revoltosos. Forças rebeldes e do governo bombardearam-se, chegando a atingir a população civil com balas perdidas (a coisa vem de longe). O pânico tomou conta da capital federal. Foi em meio a esse clima que Marta deu à luz seu filho, preferindo manter o nome escolhido: Noel.

(F. G.)

***

Natais de Noel Rosa

Dois estudiosos da vida de Noel, os autores de Noel Rosa, uma Biografia, João Máximo e Carlos Didier, consideram o desinteresse do compositor pela comemoração do Natal uma ironia com seu próprio nome. Mas era a realidade: todo ano Marta armava árvore e presépio no chalé da família em Vila Isabel e Noel nem aí. Dizia, para justificar-se:

- Para que esperar um ano para se dar presente a quem se gosta?

Foi pela época do Natal de 1935 que Noel soube que seria papai. Sua esposa, Lindaura, esperava um filho. Poucos meses depois, porém, ela perdeu a criança, ao cair da goiabeira do quintal do chalé.

(F. G.)

***

SABEM volta ao ECAD

Recebemos do presidente da SABEM (Associação de Autores Brasileiros e Escritores de Músicas), Osvaldo Cesar Veloso, circular esclarecendo o retorno da entidade ao quadro associativo do ECAD. Para ler a circular na íntegra, clique aqui.

Copyright © 2004. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais.