Brasileirinho - Principal

Voltar ao Menu - Artigos

 

DIÁLOGO GILGILBERTIANO

Por Fabio Gomes

 

- Você sabia que, entre o início de 1989 e o final de 1992, Gilberto Gil lançou 3 LPs (O Eterno Deus Mu Dança, Afoxé e Parabolicamará), fez 2 turnês nacionais, apresentou-se 6 vezes nos Estados Unidos, 7 na Europa e 1 no Japão?

- Ué, e o que isso tem de mais? Que eu saiba, ele fez isso a vida toda.

- Certo, mas nesse período ele era vereador em Salvador, eleito em 1988 pelo PMDB e filiado ao PV desde 1990.

- Lembro, ele quis se candidatar a prefeito, o Waldir Pires vetou e foi “homenageado” com a música “Pode, Waldir?”.

- Isso, inédita até hoje. Gil só a cantou no programa do Chico Anísio, que na época o imitava com o personagem Zelberto Zel.

- A melhor fase do Zelberto Zel foi quando tinha um ator que fazia o Caretano Veloso. Cadê esse cara?

- Sei lá. Mas não muda de assunto. Se o Gil fez tudo isso durante o mandato, então provavelmente ele nem dava as caras na Câmara de Vereadores.

- Negativo. Gil presidiu a Comissão de Defesa do Meio Ambiente, criada naquela legislatura; esteve nos Estados Unidos para buscar recursos junto ao Banco Mundial e ao BID para projetos ambientais de Salvador; participou de debates em Washington para elaboração de novas políticas ambientais para a América Latina, no Woodrow Wilson Center; representou a Câmara no Congresso Mundial de Governos Locais para um Futuro Sustentável, promovido pela Unep (órgão ambiental da ONU), em Nova York.

- Puxa, mas então ele devia era ser ministro do Meio Ambiente!

- O Fernando Henrique chegou a convidá-lo, mas acabou nomeando o Sarney Filho, no início do segundo mandato.

- Ah, foi...Acho que entendi: Gil representava a Câmara de vez em quando e os colegas não se incomodavam com seus shows.

- Nada a ver, Gil pediu licença da Câmara todas as vezes que ia gravar, fazer show ou realizar viagem de caráter artístico ou político ao exterior. Sem contar que, no mesmo período, ele criou a Fundação Onda Azul e o Centro de Referencia Negro-Mestiça (Cerne), além de integrar os conselhos consultivos das fundações Mata Virgem e Alerta Brasil Pantanal.

- Tá bom, você me convenceu: o fato de Gil continuar a fazer shows nos finais de semana não vai, por si só, impedi-lo de ser um bom ministro da Cultura.

- Assim é que se fala...

Copyright © 2003. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais