Brasileirinho - Principal

Voltar ao Menu - Artigos

 

TIAGO PICCOLI: SOLOS DE VIOLÃO BRASILEIRO

Por Fabio Gomes

 

O jovem violonista Tiago Piccoli apresentou seu recital Solos de Violão Brasileiro na Casa Coletânea, em 22 de junho de 2003. O programa foi dividido em três partes, a primeira homenageando compositores-violonistas (Baden Powell, João Pernambuco e Dilermando Reis), a segunda compositores-pianistas (Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga e Francis Hime), enquanto na terceira, segundo o próprio artista, se reverenciavam “dois músicos absolutamente talentosos e fundamentais na música brasileira: Garoto e Radamés Gnattali”.

O grande momento do recital foi, sem dúvida, “Lamentos do Morro” (Garoto), uma das predileções de Tiago. No bis, ele chegou a improvisar sobre o tema.Outro desempenho marcante foi com as obras de Dilermando Reis: “Tempo de Criança”, em que Tiago demonstrou grande maestria no difícil arpejado central, e “Uma Valsa e Dois Amores”, em que conseguiu criar um excelente clima nostálgico.

O intérprete fez questão de apresentar seu lado de arranjador em duas peças. No clássico “Gaúcho (Corta-Jaca)” (Chiquinha Gonzaga), ele seguiu em linhas gerais a idéia melódica original, enquanto no choro “Meu Caro Amigo” (Francis Hime – Chico Buarque), Tiago acrescentou dois compassos ao início, reforçando o tema da introdução, usando este mesmo recurso reiterativo em outros momentos da composição; a execução deste choro mostrou-se mais acelerada do que a da gravação original. Este foi o segundo número mais aplaudido, só perdendo na preferência da platéia para “Lamentos do Morro”.

Por sinal, após tocar a primeira vez sua música preferida, Tiago mostrou ter ao menos uma influência estrangeira. Agradeceu os aplausos erguendo-se da cadeira e, ao mesmo tempo em que se curvava levemente, segurou o violão com as duas mãos, como se o oferecesse ao público, esclarecendo em seguida:

- Isso eu aprendi com os Beatles.

Tiago toca preciso e limpo. Dificilmente se ouve o deslizar dos dedos sobre as cordas. Ele dá bastante destaque à melodia, a qual consegue aliar bem com o ritmo. Em “Estudo nº 5” (Radamés Gnattali), Tiago chegou a dar algumas batidas no tampo do violão, dando um reforço percussivo.

Enquanto ensaia os primeiros passos na composição, o violonista com formação em Jornalismo já tem agendadas outras apresentações em Porto Alegre – uma delas com a Camerata Brasileira, em 5 de agosto, na série Na Roda do Choro, na Casa de Cultura Mário Quintana.

Copyright © 2003. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Brasileirinho para fins comerciais